quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Dia Mundial da pessoa com deficiência - 3 de dezembro


Não enxergar, não ouvir, não caminhar. Algumas deficiências já são bem conhecidas do público, mesmo que a melhor forma de lidar com elas ainda precise ser bastante disseminada. Uma deficiência pouco conhecida, entretanto, é a múltipla deficiência. Apesar do nome, ela não é simplesmente a junção de várias deficiências, pois é trabalhada de maneira diferenciada e específica.


Em Juiz de Fora (MG) existe uma ONG totalmente voltada para a múltipla deficiência e também para a surdocegueira. O Instituto Bruno possui métodos específicos para desenvolver as capacidades do múltiplo, na área da saúde, educação e também na socialização e independência. A diretora do Instituto Bruno, Maria do Carmo Vianna, ressalta que uma criança múltipla deficiente possui necessidades específicas. “É necessário que ela tenha acesso a avaliações de vários profissionais da área da saúde, atendimentos na área da educação, estimulação sensorial, e o uso correto de vários aparelhos de apoio – cadeiras e tutores por exemplo - para vencer as barreiras que a deficiência lhe impôs”. O que acontece muitas vezes é que o material fornecido pelo SUS não é adaptado ao perfil de cada criança, ficando muitas vezes inutilizado. Ela cita como exemplo os óculos, que não possuem a proteção anti reflexo, algo primordial para o usuário de baixa visão. “O óculos da Lays nós mesmos tivemos que comprar, pois o do SUS não serviu”, revela Marilda.

Entre os equipamentos auxiliares, estão: aparelho de audição, tutor, cadeira de rodas, de banho e de madeira, fraldas, estabilizador de postura, alimentação específica, transporte adaptado (elevador e conchas ortopédicas para assento da criança)

A comunicação de pessoas múltiplas é realizada através de comunicação alternativa, um método no qual é utilizado principalmente o tato. Temos o tadoma (mão colocada na garganta para sentir a vibração e assim entender das palavras), a libras tátil (libras feita na palma da mão), as pistas (objetos são tateados para antecipar as ações), entre outros. No Instituto Bruno a comunicação alternativa é utilizada na interação com os múltiplos deficientes de acordo com o grau da deficiência de cada um. “É interessante observar como eles se desenvolvem usando essa forma de comunicação. A evolução é bem visível”, explica Eni da Penha Oliveira Silva, instrutora de educação do Instituto Bruno. É o caso de Lays Oliveira Moreira, 12, múltipla deficiente que possui baixa visão e deficiência motora. “Ela antes não firmava a cabeça, não conversava. E com esses profissionais aqui do IB ela se desenvolve, porque quanto mais eles cobram, mais ela dá. Eles dão o incentivo e ela faz”, diz Marilda de Oliveira Pinto Moreira, mãe de Lays. Mas muitas coisas ainda podem melhorar. “Não temos a cadeira de madeira e o estabilizador (de postura). Seria bom se a gente fosse atendido mais rápido nos exames (do SUS) também. Tem um exame que estamos esperando há quase um mês”, reclama.

O que é a Múltipla Deficiência Sensorial?
Múltipla deficiência sensorial é a deficiência auditiva ou a deficiência visual associada a outras deficiências (mental e/ou física), como também a distúrbios (neurológico, emocional, linguagem e desenvolvimento global) que causam atraso no desenvolvimento educacional, vocacional, social e emocional, dificultando a sua auto-suficiência.

Tipos:

.

Surdez com deficiência mental leve ou severa.

.

Surdez com distúrbios neurológicos, de conduta e emocionais.

.

Surdez com deficiência física (leve ou severa).

.

Baixa visão com deficiência mental leve ou severa.

.

Baixa visão com distúrbios neurológicos, emocionais e de linguagem e conduta.

.

Baixa visão com deficiência física (leve ou severa).

.

Cegueira com deficiência física (leve ou severa).

.

Cegueira com deficiência mental (leve ou severa)

.

Cegueira com distúrbios emocionais, neurológicos, conduta e linguagem.

3 de dezembro

O Dia internacional das pessoas com deficiência (3 de dezembro) é uma data comemorativa internacional promovida pelas Nações Unidas desde 1998, com o objetivo de promover uma maior compreensão dos assuntos concernentes à deficiência e para mobilizar a defesa da dignidade, dos direitos e o bem estar das pessoas. Procura também aumentar a consciência dos benefícios trazidos pela integração das pessoas com deficiência em cada aspecto da vida política, social, econômica e cultural. A cada ano o tema deste dia é baseado no objetivo do exercício pleno dos direitos humanos e da participação na sociedade, estabelecido pelo Programa Mundial de Ação a respeito das pessoas com deficiência, adotado pela Assembléia Geral da ONU em 1982.

Mahina Fava
Comunicação e Captação de recursos
ONG de apoio a pessoas surdocegas e com múltiplas deficiências pela paralisia cerebral
Tel: (32)2102-4300 (32)2102-4300
Rua Paula Lima, 243, Jardim Glória. Juiz de Fora - MG
Siga: www.twitter.com/institutobruno

Nenhum comentário: